29 de jun de 2013

Hoje - Dia de São Pedro

Acalanto registrado em Cunha (São Paulo):

Acordei de madrugada,
fui varrê a Conceição.
Encontrei Nossa Senhora
com dois livrinhos na mão.

Eu pedi um pra ela,
ela me disse que não;
eu tornei a lhe pedir,
ela me deu um cordão.

Numa ponta tinha São Pedro,
na outra tinha São João,
no meio tinha um letreiro
da Virgem da Conceição.

28 de jun de 2013

Mangá - The Innocent


The Innocent é um Mangá de volume único - isto é, só um número mesmo, completo - lançado pela já tradicional Editora JBC há um ou dois meses. Porém, apesar do estilo mangá, esse quadrinho não é exatamente japonês - nem oriental :)

Criado pelo fundador da Marvel Studios, Ari Arad, o roteiro é de Junichi Fujisaku e os desenhos de Ya Sung Ko. Um americano, um japonês e um coreano = Mangá Multinacional :P

Este também está lá na prateleira do meu quarto, esperando por minha leitura. Temo que precisarei de mais que um mês para pôr em dia todas as coisas boas e agradáveis (e que não rendem nenhum trocado, mas podem me deixar mais pobre!) que tenho para ler, escrever e desenhar!

Como todos os outros que venho divulgando aqui (livros e mangás), peço que aguardem resenha. Sei que há algumas resenhas que estou devendo há meses, se bobear há um ano! Mas, como você já deve saber, eu (re)tardo mas não falho!

Sinopse - The Innocent - Cinzas

Ash J. Right é condenado à pena de morte injustamente e é executado em cadeira elétrica. No Céu, é recepcionado por Angel, anjo à serviço da “Commitê Angelical”, que diz ser possível a volta à vida se Ash cumprir com a missão de “servir” os humanos. A missão seria “servir” outras pessoas inocentes que estão no corredor da morte injustamente, como o próprio Ash, e as salvá-las da execução! Ainda balançado pelos sentimentos de quando estava vivo, começa a missão de Ash em busca da ressurreição…!

27 de jun de 2013

Mangá - Shunkaden, do Clamp


Não sou exatamente fã do Grupo CLAMP, embora tenha duas coleções completas de mangás e uma terceira encaminhando (Knight Magic Rayearth, Chobits e RG Veda, respectivamente). Há algo nas histórias e desenhos dessas Mangaka que me encantam e me irritam ao mesmo tempo, uma dubiedade de amor e ódio. Obviamente que me encantam mais do que irritam, senão não gastaria meus créditos com elas. Na verdade, o que me irrita é a parte frívola, kawai, das histórias. Prefiro histórias densas e sérias. Mas os enredos são sempre muito bons, daí vem o meu antagonismo amoroso, rs.

Nos últimos tempos (contando a partir de quando retornei às aquisições de mangás, depois de quase 10 anos longe disso), estão publicando no Brasil histórias curtas de quadrinhos orientais, sendo algumas até fechadas em edição única. Apesar de não ter uma história tão bem desenvolvida quanto em uma série, existe o lado bom que supera o lado negativo: o financeiro. Também evita-se as enrolações e encheções de linguiça, como acaba muito ocorrendo em histórias mais longas, principalmente àquelas que tem dezenas de capítulos.

Shunkaden, do Clamp, é uma dessas edições. Já foi publicada e saiu de circulação há alguns meses, assim como outro mangá edição única do CLAMP, A Pessoa Amada, também publicada pela Editora New Pop. No caso, perdi de bestagem o segundo e me arrependi. Para não sorver novamente esse pavoroso sentimento, adquiri o primeiro, assim como fiz, agora a pouco, com GATE 7.

Apesar de já ter adquirido há alguns meses, ainda não obtive o devido tempo para ler e apreciar o Mangá. Portanto, assim como está sendo com todas as últimas postagens sobre os quadrinhos orientais, esta aqui é apenas para informar, mas não sei se será uma informação útil, pois não sei se ainda se encontra à venda em algum lugar. No site da New Pop, não há loja virtual, então eles aconselham que se procure por lojas de quadrinhos. Na internet, certamente, se encontrará, novo e de segunda-mão.


Há muito tempo… havia uma garota muito bonita chamada Chun Hyang. Ela se apaixonou pela primeira vez por um yangban (nobre) chamado Mong Ryong, superando a diferença social e tendo seu amor correspondido. Mesmo ficando separados, mesmo que outros se declarassem a ela e ela fosse presa por rejeitá-los, Chun Hyang continuava a amar somente Mong Ryong…
Essa é uma antiga história de amor contada na Coréia. Chun Hyang é considerada uma mulher fiel e ainda hoje, é admirada pelas pessoas. Porém… Esta Chun Hyang é “um pouco” diferente.
Shunkaden

26 de jun de 2013

Mangá - Gate 7


Sempre há uma nova surpresa nas bancas de revistas, desde que descobriram que os aficionados por quadrinhos (tipo) japoneses, os Mangás, são leais à sua preferência de 9ª Arte.

A surpresa de hoje foi com o novo Mangá do CLAMP. Novo para nós, que fique bem claro. Acaba de ser lançado por aqui, pela Editora New Pop, que parece ter se especializado nas obras do Grupo. O lançamento trata-se da obra (prima, como a Editora se refere) GATE 7. Aqui na postagem está a ilustração da capa do primeiro número. Com uma capa dessa e com a assinatura do artista, quero dizer, das artistas, que são várias meninas compondo o grupo CLAMP, nem pensei em não levar ou deixar para depois... nem lembrei de olhar o preço... afinal, estava com o cartão de crédito e a fatura do mês já está fechada XD

Eis a apresentação e sinopse extraída do site da New Pop:

Chega ao Brasil a mais recente obra do grupo CLAMP, Gate 7!

Com belíssimas imagens, o CLAMP nos transporta para um mundo novo e diferente recheado de seres sobrenaturais, sacerdotes e criaturas místicas japonesas. Uma chance única de conhecer Quioto e toda sua história, sob os olhos criativos do CLAMP.

No Brasil a obra será produzida pela NewPOP Editora, com tradução direta do japonês, formato original e páginas offset, toda a qualidade que você conhece e confia.

A TRAMA
Tudo começa com uma viagem a Quioto, Chikahito sempre sonhou em visitá-la, a cidade o chama como o canto de sereias. Quando finalmente realiza seu sonho, Chikahito explora cada centímetro do lugar, inclusive aqueles centímetros que talvez ele devesse ter ignorado…
No meio de um passeio tudo escurece e ele se vê transportado para toda uma nova dimensão, lá 3 pessoas o observam. E é assim que nosso protagonista conhece Hana, uma jovem garota, e seus dois guardiões.
Para confundi-lo ainda mais, Hana e seus companheiros combatem um ser mágico que nunca viu em sua vida! O que são aquelas criaturas?
Chikahito conhecerá uma Quioto muito diferente daquele que leu a respeito. Seu destino é selado e todas as engrenagens da sua vida começam a se mover em direção a Hana.

O MANGÁ
No Japão a obra é serializada na Jump Square desde 2000, a revista é casa de diversos mangás de fama internacional. Atualmente possui 4 volumes, mas ainda é publicado periodicamente a cada semestre no Japão. A série ainda não tem data de término.
Além da arte e roteiro impressionantes, cada volume nos surpreende com belíssimas capas detalhadamente produzidas, que serão trazidas ao Brasil integralmente sem cortes ou capas espelhadas.

OS PERSONAGENS
Hana: Uma jovem menina de beleza e habilidades incomparáveis, é a guerreira do grupo e está sempre acompanhada de Sakura e Tachibana. Tem uma fixação inexplicável por Chikahito e acaba sendo a causa dele ficar em Quioto.

Chikahito Takamoto: Um colegial normal, ou ele pensa que é. Sente uma atração pela cidade de Quioto e um de seus grandes sonhos era ir visitá-la e morar lá. Acaba encontrando Hana e os outros em sua viagem, o que o leva a descobrir que aparentemente é imune aos poderes mágicos de Tachibana e Sakura, mas Hana o enfeitiça e ele acaba por se mudar para Quioto.

Tachibana: Rapaz sério e constantemente mal encarado, de cabelos negros e pele branca, é um dos guardiões de Hana.

Sakura: O segundo guardião de Hana, é alto, forte e tem cabelos claros. Parece o mais descontraído da turma, mas tem seu lado sério.

 No enredo, todos os elemento que AMO! E só tô vendo isso agora, hihi! Melhor! Porque ainda lamento ter perdido A Pessoa Amada - e perdi de bobeira, pois optei por não adquirir o mangá.

Por enquanto, a postagem foi mesmo apenas para informar sobre o lançamento. Tenho outras postagens aqui engatilhadas sobre outros mangás lançados há pouco tempo, mas estão todas nos rascunhos, porque inicio uma postagem e deixo para terminar depois. Então, agora tá explicado o termo "novas surpresas" que usei lá em cima.

E o melhor: são apenas 4 volumes. Nada de séries enooormeeees, que parece que nunca acabarão e ainda correndo o risco de serem canceladas por aqui!

Não li e nem vi direito a arte, mas recomendo Gate 7. Tenho certeza de que é ÓTIMO ;]

25 de jun de 2013

Livro - Dê-me a Lua

Dê-me a Lua é um livro infantil francês, escrito por Roxane Marie Galliez e belamente ilustrado por Cathy Delansay, publicado no Brasil pela Ciranda Cultural. Encontrei por acaso na Feira do Livro Infantil que está acontecendo no Shopping Bangu, no bairro de mesmo nome do Rio de Janeiro.

Sempre tive uma queda por livros infantis, por sua apresentação extremamente criativa (quanto mais novinho é o público alvo, mais criativos são os livros) e, alguns, que são verdadeiras obras de arte, em que as ilustrações fazem tanto parte do livro quanto o texto escrito. Como os livros infantis são sempre muito coloridos e alguns empregam materiais diversos, indo muito além do simples papel, eles tendem a ser muito caros. Então, por conta de seus preços altos, colecionar esse preciosos da Literatura Infantil é um sonho meu, tanto quanto outro antigo, que é o de colecionar álbuns de ilustrações (ou Art Books) - e até hoje tenho apenas 3: Fushigi Yuugi Anime Illustrations, Fushigi Yuugi Manga Illustration e Complete Illustration Dragon Ball.

Dentre todos os belos livros expostos na Feira, Dê-me a Lua me chamou atenção por sua beleza estética, que ficou mais bonito com o preço de apenas R$ 10. Livros com diversas ilustrações lindas tinham vários por lá, mas não com esse precinho pra lá de atraente!

Dê-me a Lua conta a lenda de Pierrô e Colombina, que se pensava apaixonada por Marcelo, um talentoso poeta e violinista que encantava a todos com as melodias que tirava de seu violino. Mas Marcelo não ouvia e não dizia nada além de sua música, e Colombina tinha dúvidas sobre os sentimentos do rapaz.

Vendo-a entristecida, Pierrô apareceu, confessando seu antigo amor por Colombina. Para provar a ela que as suas intenções eram verdadeiras, ele permitiu que ela pedisse qualquer coisa, que ele lhe daria. Marcelo, por sua vez, oferecia a sua música a todos. Mas Pierrô daria a Lua à Colombina, que ela assim quisesse.

E, no seu coração, Colombina assim desejou... um amor sincero e verdadeiro.

E Pierrô ofereceu: "Peça-me a Lua... e eu a darei a você."

E assim Pierrô o fez - laçou a Lua cheia e levou até a sacada de Colombina, provando a ela seu amor sincero e verdadeiro. Os dois se beijaram e a Lua os levou consigo, para o alto do céu, e por lá permaneceram.

Mas Marcelo, que tocava sua música para Colombina, embora a distribuísse a todos, parou de tocar seu violino, depois que não mais viu a sua musa inspiradora. E lá do alto da Lua, Colombina percebeu a tristeza do poeta, e duas lágrimas escaparam de seus olhos, que caíram na terra, regando uma semente que estava escondidinha.

Em um dia e uma noite, a sementinha se transformou em uma enorme árvore. Marcelo, que sempre chamava por Colombina, decidiu usar a madeira para construir um instrumento muito maior que o violino, para que sua musa pudesse ouvi-lo lá da Lua. E ele construiu um violoncelo, um instrumento tão mágico que tinha o mesmo tom de voz do poeta. E Marcelo tocou para Colombina durante as noites de Lua.

Confusa em seus sentimentos, Colombina não sabia o que fazer. Pierrô, mesmo magoado, permite que sua amada parta, transformando-a em uma pomba branca (a Colomba) para descer até Marcelo. Se ela se decidir por ficar, voltará a ser mulher de novo, mas não poderá retornar para a Lua e para o Pierrô.

E como uma pomba branca, Colombina voa até Marcelo e acaba descobrindo que seu amor pelo poeta, era um amor de amigo, e que ela admirava a música dele.

Nos países europeus, os instrumentos de cordas, com o violino e o violoncelo, são chamados de Celo (cello)... talvez por causa desse triângulo amoroso entre Pierrô, Colombina e Marcelo.
 

24 de jun de 2013

Hoje - Dia de São João

São João Batista é a segunda figura mais forte do Evangelho, exatamente por ele ser o Profeta que preconizou a vinda do Messias, auxiliando Jesus a iniciar a sua Missão Divina. 

Conhecido como O Batista, foi ele quem batizou Jesus no Rio Jordão, ato que ele fazia a todos os judeus que aceitavam ser consagrados pelo Espírito Santo.

Escrevi um conto, há alguns anos, que foi uma homengem ao dia de hoje, e publiquei no Wattpad, para quem quiser conferir.

Desculpe a postagem curta, ainda está em construção, mas estou sem tempo ^^'

22 de jun de 2013

Resenha - A Maldição do Tigre

Sinopse:
Paixão. Destino. Lealdade. Você arriscaria tudo para salvar seu grande amor? Kelsey Hayes perdeu os pais recentemente e precisa arranjar um emprego para custear a faculdade. Contratada por um circo, ela é arrebatada pela principal atração: um lindo tigre branco. Kelsey sente uma forte conexão com o misterioso animal de olhos azuis e, tocada por sua solidão, passa a maior parte do seu tempo livre ao lado dele. O que a jovem órfã ainda não sabe é que seu tigre Ren é na verdade Alagan Dhiren Rajaram, um príncipe indiano que foi amaldiçoado por um mago há mais de 300 anos, e que ela pode ser a única pessoa capaz de ajudá-lo a quebrar esse feitiço. Determinada a devolver a Ren sua humanidade, Kelsey embarca em uma perigosa jornada pela Índia, onde enfrenta forças sombrias, criaturas imortais e mundos místicos, tentando decifrar uma antiga profecia. Ao mesmo tempo, se apaixona perdidamente tanto pelo tigre quanto pelo homem. A maldição do tigre é o primeiro volume de uma saga fantástica e épica, que apresenta mitos hindus, lugares exóticos e personagens sedutores. Lançado originalmente como e-book, o livro de estreia de Colleen Houck ficou sete semanas no primeiro lugar da lista de mais vendidos da Amazon, entrando depois na do The New York Times.

Meu Achismo:

A Maldição do Tigre é uma Ficção Fantástica em que, no pano de fundo, há um relacionamento entre uma garota humana aparentemente comum e um "ser sobrenatural". Romance do tipo que se tornou moda nos últimos 10 anos.

Achei a história muito boa no início, o que me surpreendeu, pois mostrava e prometia algo totalmente diferente dos livros de igual temática. Mas a originalidade não sobrevive além das primeiras 100 páginas. Isso quer dizer que meu palpite era certeiro, antes de começar a ler.

Para começar, o livro é narrado em primeira pessoa (coisa que não gosto), e quem conta a história é a própria Kelsey Hayes, a protagonista, uma garota de 18 anos que arranja um trabalho temporário num circo em que há um raro tigre branco como atração. 

A Maldição do Tigre começa de uma forma que prometia trazer um diferencial e ser um algo a mais que apenas entretenimento. Definitivamente, a autora Colleen Houck perdeu uma ótima oportunidade de ajudar a melhorar o mundo.

Kelsey Hayes é uma garota que está preste a fazer 18 anos e a ingressar na faculdade. Para ajudar a comprar o seu material de estudos, ela arranja um emprego de verão no circo instalado na cidade onde mora com os seus tutores, onde ela trabalhará cuidando, especialmente, do tigre branco de nome Dhiren, que ela chamará o tempo todo de Ren...

Há cinco anos, os pais de Kelsey morreram em um acidente de carro e ela passou a viver com uma família adotiva vegan - e essa qualidade me surpreendeu!

Por esse início, achei que o livro se valeria para protestar contra o uso antropocêntrico dos animais, desde o fornecimento para a alimentação até o absurdo uso na diversão inútil (como é nas atrações de circo). Mas, como disse lá no início da postagem, o livro começou bem e acabou muito mal na fita.

Kelsey é uma garota solitária e traumatizada com a morte dos pais. Porém, no circo, ela encontra no tigre 'alguém' com quem partilhar e amenizar a sua dor e solidão, ao perceber no animal a solidão e angústia de 'alguém' que vive uma sub-existência escravizada.

Então, sempre que pode, Kelsey passa um tempo na companhia do tigre: conversando, lendo e até mesmo desabafando suas mágoas. Um belo dia, porém, algo diferente acontece: Kadam, um ricaço indiano aparece no circo e compra Dhiren por uma fortuna e, de quebra, contrata Kelsey para cuidar do tigre durante o translado para a Índia e durante as primeiras semanas de adaptação do felino em sua nova vida em uma reserva biológica.

A partir daí, a americana comum e órfã passará a viver incríveis aventuras permeadas de elementos da Mitologia Hindu, o que, de positivo, é um diferencial e tanto, que quase - eu disse 'quase' - dá conteúdo e substância à trama.

Eu acho terrivelmente patético essa tola mania de autoras (e alguns autores) criarem o mocinho da história como um homem extremamente lindo, musculoso e pooodreee de rico! Pior fica quando o cara enche a heroína de presentes caros e praticamente passa a bancar a vida dela, dando-lhe tudo do bom e do melhor de mão beijada! É aí que A Maldição do Tigre começa a desandar, degringolando de vez quando Dhiren e Kelsey enfrentam diversas aventuras ao pior estilo Indiana Jones :/

Ah, esqueci de mencionar: Dhiren é um príncipe indiano amaldiçoado em um corpo de tigre, o que daria uma história maravilhosa se o seu íntimo fosse esmiuçado por uma narrativa onisciente que preza a subjetividade.

E Kelsey seria uma personagem realmente cativante se não tivesse mudado sua personalidade para uma boçal sarcástica de piadas sem graça em momentos pra lá de inoportunos, com um duvidoso e muito pouco convincente conflito interno, em que misturou o trauma pela perda dos pais com um complexo de inferioridade forçado, surgido justamente depois de viver coisas incríveis, inclusive depois de receber as bênçãos da própria Deusa Durga, que a trata por filha e ainda lhe dá preciosos presentes, como uma arma poderosa que só ela e Dhiren podem manusear, e Fanindra, a Rainha das Cobras, que se camufla em um bracelete de ouro - e que essa paspalha da Kelsey ainda tem a coragem de fazer pouco-caso!

Quanto aos outros personagens de maior destaque - Kadam, Dhiren e Kishan - apesar de falar algo de suas vidas, muito pouco foi dito sobre a personalidade de cada um, a não ser o básico para satisfazer a protagonista e girar em torno do mundinho dela.

Infelizmente, A Maldição do Tigre é apenas um livro para mero entretenimento, do tipo lido e descartado. Pela ânsia de se mostrar uma trama delineada para o Cinema, algo totalmente comercial, o livro perdeu a oportunidade de se mostrar libertador pela Causa Animal. Kelsey começou a trama como vegana (mesmo que forçada pela família adotiva) e terminou se alimentando dos mais diferentes animais, passando uma imagem negativa do estilo de vida vegan. Também poderia promover a Libertação Animal dos espetáculos, servir de crítica aos circos e zoológicos... mas não passou nem perto disso!

O livro só serve mesmo para passar o tempo na condução ou em uma fila de espera. Portanto, não jogue seu dinheiro fora com ele e menos ainda com a série completa, que está em 4 livros. Se quiser muito ler, procure e-book pirata e faça download. Esse tipo de descartável merece se pirateado.

Lamentável.

21 de jun de 2013

Solstício de Inverno

 

E o Outono cedeu a vez ao Inverno, que se iniciou na madrugada de hoje, às 2:04h, e irá até 21 de setembro, com o Equinócio de Primavera. 

Para nós que estamos aqui no Hemisfério Sul, essa data de início de estação se funde com o Solstício de Inverno, que é um fenômeno astronômico usado por milhares de anos por diversos povos da Antiguidade, desde a Roma Antiga até a China, em especial os povos pagãos da Europa pré-Cristã, como os Celtas e Germânicos, para marcar a passagem dos períodos durante o ano.

Para essas antigas culturas, o Solstício de Inverno recebia o nome de Sabbat de Yule, considerado o ano novo, o início da Roda do Ano. É um período que se liga à morte, quando a vida se recolhe à terra aguardando o renascimento do Sol e o retorno ao mundo.

Hoje, esse festival sazonal é comemorado pelas religiões Neo-pagãs, incluindo a Wicca. Porém, o Solstício de Inverno no Hemisfério Norte se dará apenas em 22 de Dezembro, quando aqui ocorrerá o Solstício de Verão.

Por aqui, temos uma "caricatura" do que era essa festividade pagã das antigas culturas europeias. As nossas típicas festas juninas, as Festas de São João, que são heranças trazidas pelos colonizadores portugueses, traz muito das antigas práticas dos Celtas, como as fogueiras, que eram acesas para afastar os maus espíritos; o casamento na roça, que é a versão casta do festival de Beltane (que ocorre na Primavera), que é o festival da fertilidade e o casamento da Grande Deusa com o Deus Cornífero.

Quando nós vivíamos exclusivamente da terra, as estações do ano eram comemoradas com grande devoção. A vida dos homens seguia o ritmo da Natureza. Após a Revolução Industrial, quando começou o rompimento do homem com a Natureza, as festividades e devoções à terra começaram a perder força e até sentido. Hoje, pouco se vive daquilo que se vivia durante alguns milhares de anos. Muito pouco é vivenciado de forma religiosa, sendo que a maior parte é perpetuado em festividades profanas que a cada ano se torna mais e mais materialista e comercial - e não apenas aqui no nosso país, mas também nos países europeus que ainda comemoram os festivais sazonais.

Nós, que mal temos frio e muito menos neve - que só ocorre por fenômeno raro - que temos muito sol brilhando e calor de até 35°, com direito à praia e tudo mais, não temos a real noção do grande significado do Inverno. Mas, nos países onde as estações são bem delimitadas, o Inverno é simbolizado pela velhice e a morte. Era quando os povos antigos faziam a última colheita do ano, sacrificavam os animais de criação que menos chances tinham de sobreviver ao inverno, e se recolhiam às suas casas, preparando as provisões e aguardando pela Primavera, em que ocorreria o Nascimento do Sol e, com isso, o renascimento da vida em sua plenitude, explodindo em cores, em sons, em cheiros, em Vida.

Pois que a Vida, a nossa e de todos os seres viventes, é um ciclo interminável como as estações - nascemos, crescemos, procriamos, envelhecemos, morremos e renascemos - tal qual o Sol que nasce e morre todos os dias ou as estações sazonais que de Primavera, quando se brota a vida, se torna Verão, no ardor e energia da juventude, vira Outono, quando se amadurece, e finalmente se torna Inverno, quando se recolhe e se extingue a Luz... para voltar a ser Primavera, continuando o ciclo.

Portanto, hoje não é meramente mais uma entrada quente de Inverno. É uma passagem energética do período de tempo da nossa Terra. E se é energia, afeta a tudo e todos. Tudo é muito simples, mas também tudo é Divino.




14 de jun de 2013

Mangá - Resident Evil

Tenho ótimas lembranças do game Resident Evil, que a época em que conheci, chamava-se Bio Hazard, que é o original.

A plataforma de jogos era o PlayStation (o primeirão!), e os jogos eram todos importados. Bio Hazard 1 e 2 que eu possuía eram os japoneses e todas as instruções estava nessa língua.

Não gostava muito do Resident 1. Aqueles dobermans zumbis me davam nos nervos! Então, minha adoração ficou toda com Resident 2 e seus dois personagens fodásticos - Leon S. Kennedy e Claire Redfield! E era possível escolher qual personagem jogar, e a história sofria uma leve alteração no seu desenrolar.

Como o jogo era quase um RPG (só era possível avançar se seguisse as instruções), foi necessário adquirir uma revista que foi lançada apenas para mostrar o passo-a-passo de como passar por cada situação e fase! A primeira vez que virei esse jogo, levei 6 horas e meia! Felizmente, naquela época já existia o memory card, porque, senão, era foda!

Para virar o jogo, até plateia eu tive! O pessoal lá de casa ficava sentado às minhas costas, na maior das espectativas, como se estivesse mesmo assistindo a um filme do melhor suspense! A galera ficava na torcida, quietos na maior atenção! Virar esse jogo foi uma grande emoção! E emoção maior foi descobrir que aquilo que parecia um final, não era ainda o final de fato! Dei muitos gritinhos pelos sustos com as cenas (sim, eu já fui fresca XD).

Embora eu não fale sobre isso (nem pessoalmente), os games tiveram um parcela importante da minha vida e juventude. Comecei com o SuperGame da CCE (que era o genérico do Atary, para os pobres) até, apenas, ao PlayStation 2. Hoje não jogo mais, a não ser que eu estiver muito entediada que nem livro me anima, aí me contento com jogos de bolinhas coloridas no tablet mesmo.

Certamente, foram bons tempos. Não retorna mais, afinal a situação é outra e algumas pessoas não estão mais aqui.

E eis que, muuuitos anos depois, a Capcom nos presenteia com um MANGÁ de Resident Evil!

A história é outra, não é como do game. Já está no terceiro número e eu perdi o primeiro, mas tenho o 2 e 3, mas ainda não tive tempo de ler - tempos de escola! Então, esta postagem não é uma resenha, mas simplesmente um comentário, rs.
Sinopse:
RESIDENT EVIL – Biohazard: marhawa desire #1, de CAPCOM e Naoki Serizawa

(Série anual ainda em andamento. Última edição no Japão é a #1, formato 13x18 cm, 176 páginas, R$ 10,90).

No renomado Colégio Marhawa surge, misteriosamente, uma aluna transformada em zumbi. O bacteriologista Doug Wright e Ricky, seu sobrinho e assistente, são envolvidos nesta tragédia que, pouco a pouco, aumenta de proporção. Enquanto isso, Chris Redfield e sua equipe do B.S.A.A. seguem a trilha deixada pelo professor Doug. Essas duas tramas se entrelaçarão em um pesadelo inevitável...

13 de jun de 2013

Hoje - Dia de Santo Antônio

Claudio Coello, A visão de Santo Antonio de Pádua, 1663
Hoje é Dia de Santo Antônio (de Pádua, de Lisboa, de Pemba), que nas festividades meramente profanas, abre o período das Festas Juninas, cujo ápice é no dia 24 de junho, dia de São João. Mas Santo Antônio (e São João), não são meros personagens de festividades que, a cada dia, perdem sua essência, tornando a sua única razão de existir a comercial.

Antônio, cujo real nome era Fernando, nasceu em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto de 1191, e faleceu em Pádua, Espanha, em 1231. Essas datas, como suas biografias e até mesmo seus pais, são propostas, isto é, não existem documentos que comprovem fidedignamente tais fatos. O que se sabe, são contos populares, tradições passadas oralmente a cada geração, que se tornaram fatos verídicos graças à crença das pessoas.

Sobre a vida pública de Antônio, isto é, a sua vida de religioso, muito coisa ficou registrada. Foi contemporâneo de São Francisco de Assis, inclusive assistiu a canonização do Santo em 1228, dois anos após a morte dele.

Foi um grande evangelizador e orador. Há uma lenda em que conta a evangelização de Santo Antônio em uma praia. Conforme o Santo fazia sua pregação, os peixes espicharam suas cabecinhas para fora da água para ouvi-lo. Se foi mesmo verdade, certamente os animais foram atraídos pelo magnetismo dele. E esse talento de frei franciscano Antônio era o responsável por arrebanhar multidões em seus sermões, tanto de pessoas simples quanto de clérigos de boa formação. Existe até mesmo uma coletânea com textos originais do Santo; trata-se de Sermões Dominicais e Festivos.

Mas nem tudo são belas histórias. Antônio, à sua época, recebeu a alcunha de Martelo dos Hereges, por ser implacável com os chamados hereges, que eram os não-cristãos, geralmente pessoas que jamais ouviram falar em Cristo e na religião fundada pelos homens. Essa antiquíssima violação de direitos todos conhecem, não é?

Antônio de Pádua foi muito além. Considerado alguém com grandes dons do Espírito Santo (ou, no nosso atual entendimento, um extraordinário Médium), os conhecimentos religiosos e acadêmicos de Antônio também estavam muito acima do comum à época, sendo um verdadeiro intelectual:


Além de um conhecimento detalhado da Bíblia, dos escritos dos Padres da Igreja e outros escritores cristãos, são encontradas citações de clássicos como Aristóteles, Cícero, Catão, Sócrates, Dioscórides, Donato, Eliano, Escribônio, Euquério de Lião, Festo Solino, Filão de Alexandria, Tibulo, Sérvio, Públio Siro, Juvenal, Plínio, o Velho, Varrão, Sêneca, Flávio Josefo, Horácio, Ovídio, Lucano e Terêncio. Seu conhecimento das ciências naturais ultrapassa em muito o currículo regular das artes liberais medievais, aprofundando-se em áreas como a medicina, a física, a história natural, a cosmografia, mineralogia, zoologia, botânica, astronomia e óptica.

Nas palavras de José Antunes, “Santo Antônio de Lisboa, embora muito festejado e venerado como santo pelo povo, é menos conhecido como um homem de cultura literária invulgar e como um verdadeiro intelectual da Idade Média. Reveladora dessa cultura ímpar, é a sua obra escrita, cheia de beleza e densidade de pensamento, como nos testemunham os seus Sermões, autênticos tesouros da Literatura e da História. Vasta, profunda, extraordinária, a respeito da Sagrada Escritura. Ampla, variada e bem apropriada nas transcrições dos Padres da Igreja e dos Autores Clássicos. Impressionante, para o tempo, não apenas pelo conhecimento que revela das ciências naturais e das humanidades, mas igualmente pelo erudito discurso sobre noções jurídicas, como Poder, Direito e Justiça”.
Certamente, um grande Espírito de escol!

Para saber mais detalhes sobre a vida deste santo, acesse o blog Matéria Astral e Sacrifício Vivo e Santo.

12 de jun de 2013

Resultado da Promo de Namorados 2013


Feliz Dia dos Namorados!

E mais feliz fica para os sorteados da promoção de 2013 dos blogues PatriciaDo e Romances Sobrenatural!

Foram poucos participantes, tendo 33 entradas no formulário, com a participação de 12 pessoas. Ótimo para os participantes, pois quase saiu prêmios para todos.

Apesar de poucos participantes, deu um trabalhinho maior realizar os 7 sorteios, pois uma mesma pessoa foi sorteada várias vezes. E como a nossa intenção é a de que cada prêmio fosse para um sortudo diferente, então tivemos que rodar a roleta várias vezes.

Fico triste pelos que ficaram de fora. Mas, se quiserem um pequeno prêmio de consolação, vocês que não foram sorteados, me enviem seus endereços para o meu email aqui, que enviarei para você marcadores de livros do blog ;)

E aos sorteados, os prêmios de vocês começarão a ser entregues a partir de semana que vem (estou sem moedinhas no momento para pagar os correios, hehe ^^').

Se repararam na imagem que ilustra esta postagem, já devem saber quem são os sorteados e seus respectivos prêmios, não é? Para conferir os participantes e suas posições no formulário, clique aqui e veja o arquivo em pdf (o formulário ficou extenso e não deu para printar por inteiro).

Os sorteados e seus prêmios foram nessa ordem:

  • Vanessa Carvalho Martins - Livro Sussurro;
  • Marcos Ferreira de Araújo Júnior - Livro A Insustentável Leveza do Ser;
  • Ana Carolina Costa - Livro Encantado;
  • Italiene Santos Castro - Livro Missão MacKenzie;
  • Kathleen Kristine Cordeiro da Silva - Livro A Cigana;
  • Luiza Ferreira Gomes - Livro Armadilhas do Amor;
  • Eva S. de Santana - Livro O Escândalo da Rosa Negra.


Pois Meninos e Meninas, me enviem seus endereços completos, com cep, para o meu email aqui ;)

E se você não foi sorteado desta vez, não se desanime. Aqui haverá mais sorteios com mais de um prêmio e a concorrência é sempre pequena, hahah! Então, sempre haverá a chance e a sua vez acabará chegando \o/

Obrigado a todos os participantes!

Beijos no coração a cada um de vocês!

Feliz Dia dos Namorados!

FELIZ DIA DOS NAMORADOS S2
Para os solteiros também =)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...