21 de mar de 2013

Hoje, Dia Internacional das Florestas

 Há luz no fim das Florestas?

Hoje se comemora o Dia Internacional das Florestas. O dia é comemorado, mas há algo nessa realidade que possa ser festejado?

Em minha mente, na minha forma de raciocinar, não consigo conceber os humanos, animais e florestas como 'seres' isolados e independentes uns dos outros. Por mais que as pessoas acreditem poder viver apartadas da Natureza (dentro de uma concepção que elas nem imaginam possuir - a do antropocentrismo, o derivado mais radical do especismo), isso não é possível, pois a nossa existência depende dela. Afinal, por mais que alguém abomine a ideia de contato com a Natureza, ainda assim necessita dela para se alimentar, se saciar e respirar.

Com a continuada destruição de áreas florestais, com a galopante dizimação da flora urbana e com o constante e ininterrupto envenenamento dos solos, águas e ar, é impossível haver algo a ser comemorado. Mesmo pequenas vitórias parecem meras ilusões infantis do bem vencendo o mal.

E o que podemos fazer?

O mínimo podemos: não compactuar. Assumirmos a co-responsabilidade por toda a vida do planeta.

E como fazer isso? Freando nossa insaciável gula. Parar de inventar necessidades que não existem. Deixarmos de ser consumistas. Dormar o Ego, pois o Ego desequilibrado é o verdadeiro vilão de todas as mazelas que sofremos e cometemos.

É fácil? Claro que não. E quanto mais tempo se gasta em gerar e criar um problema, mais tempo demandará para solucioná-lo.

Então devemos começar agora. Aos poucos, mas sempre constantemente.


 ORAÇÃO DA ÁRVORE

Tu que passas e ergues para mim o teu braço,
Antes que me faças mal, olha-me bem.
Eu sou o calor do teu lar nas noites frias de inverno;
Eu sou a sombra amiga que tu encontras
Quando caminhas sob o sol;
E os meus frutos são a frescura apetitosa
Que te sacia a sede nos caminhos.
Eu sou a trave amiga da tua casa,
A tábua da tua mesa, a cama em que tu descansas
E o lenho do teu barco.
Eu sou o cabo da tua enxada, a porta da tua morada,
A madeira o teu berço e o aconchego do teu caixão.
Eu sou o pão da bondade e a flor da beleza.
Tu que passas, olha-me e não me faças mal.

Veiga Simões, Arganil, Portugal, 1914
 

"Vivamos erguidos como um árvore e
fraternalmente como uma floresta."

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...